terça-feira, 1 de março de 2011

27/02/2011 - 5ª Meia Maratona de São Paulo (Yescom)

Em janeiro comecei meus treinos para correr a Maratona de SP, que será no dia 19/06/2011. Graças a Deus estou conseguindo cumprir o planejamento, com um ou outro ajuste pertinente.
Esta meia-maratona da Yescom, como em 2010, entrou no meu calendário de preparação, embora eu não tenha me animado muito pela prova em si. Encarei mais como um treino mesmo. Como alguns dizem por aí, um "treino de luxo" rsrs.
No fim de semana anterior eu não consegui cumprir o treino longo por causa do calor. Então, no treino de 4ª feira resolvi aumentar a distância prevista, de 10km para 19,5km. O treino foi ótimo, à noite, e durou 2h01. Mas por causa dele tive uma noite muito agitada e não dormi direito à noite. Na 5ª feira eu estava um caco, não conseguia comer direito, mas tomei alguns cuidados que me fizeram melhorar aos poucos. Não fui nadar, e na 6ª feira também só fiquei em repouso.
No sábado já estava me sentindo melhor, e até fiz um excelente treino de 1km com minha filha rsrs
Para domingo eu tinha que cumprir um treino longo de 32km. Mapeei um percurso de 11,1km que eu correria antes da largada, e emendaria o final deste "aquecimento" com a largada da prova.
Cheguei à região do Pacaembú antes das 7h, me arrumei, tomei uns goles de Gatorade e parti para a primeira perna prevista. Temperatura agradável na Av. Pacaembú, na casa de 22ºC. Voltei, subi até os cemitérios da Av. Dr. Arnaldo e desci novamente para o estádio e avenida homônimos. Perto do Minhocão, o mesmo termômetro já marcava 27ºC. Na volta para o carro, passaram por mim as largadas dos cadeirantes e elite feminina. Ao passar no possante para mais uns goles de Gatorade, ouvi a buzina de largada. Tudo dentro do planejado.
Fui trotando para a linha de largada e entrei na prova com cerca de 6min decorridos. Ainda teve muita gente que acabou largando depois de mim.
Eu estava me sentindo bem, mas tinha que tomar cuidado pois ainda estava no início de uma distância longa. A presença de público no percurso é quase nula, e os quilômetros iniciais têm poucos atrativos a serem registrados. Único destaque para o fato de, enquanto estava passando pelo Minhocão pela primeira vez, os cadeirantes e a elite feminina já estavam em sua segunda passagem. Ao sair do Elevado, ouvi algumas pessoas gritando que o Marilson estava passando.
Ao passar pelo Bom Retiro começamos a observar uma mudança de cenário, incluindo alguns pontos turísticos, mas também áreas degradadas.

A marca de 10km, para mim, significava ter completado a distância da meia-maratona. Meu tempo pessoal ficou em 2h18. Na minha cabeça, aquela era a marca de dois terços do planejado.
Eu estava motivado, tomando cuidado para não me empolgar antes da hora, e constantemente avaliando minhas condições físicas e a possibilidade de ir até o final. Mas a falta de Gatorade no posto onde deveriam estar distribuindo o mesmo acabou me atrapalhando física e psicologicamente.
No posto de água seguinte caminhei alguns metros, mas retomei o trote na sequência. De volta ao Minhocão, caminhei umas duas vezes e consegui retomar o trote.
Nessa segunda passagem pelo Minhocão, encontrei (já voltando, claro) algumas pessoas conhecidas, como o Marcelo (de Alphaville), o Fábio Namiuti, o Jack e meu chefe Tom. Perto de mim, também cumprimentei o Geraldo.
Comecei a sentir uma sensação desagradável, provavelmente em função do calor e devido a já estar correndo há mais de 3 horas. Um sintoma estranho, que nunca tinha sentido antes, foi algo no meu ouvido esquerdo. Não sei se estava "alagado" de suor, mas parecia que alguma coisa atrapalhava a audição daquele lado. Sabe quando a gente sobe ou desce uma serra de carro, e parece que o ouvido "entope"? Era algo parecido, não sei direito o que era.
Meu cenário foi se deteriorando no final da prova, até que no km 19 eu resolvi dar uma nova caminhada, mas acabei andando até o final. Não consegui retornar ao trote. Comecei a sentir um mal estar, e achei prudente não forçar mais, para não piorar.
Nessa caminhada pela Av. Pacaembú, além de reparar que o termômetro marcava 31ºC, encontrei o Seneval e o Fabio Matheus, ambos já indo embora.
Na praça Charles Miller o Jack me cumprimentou da grade e, ao perceber que eu não estava bem, foi me encontrar na chegada para me dar um suporte médico.
Cruzei a linha de chegada com mais de 2h30 no tempo oficial. Cerca de 3h45 para mim (32km).
Após pegar a medalha, cumprimentei rapidamente o Ivo e esposa, tentei achar o Serginho ao lado da banca de jornais, e fui à tenda médica tomar um plasil na veia.
Ao me encaminhar para o carro, ainda estava meio "mals", mas quando comecei a tomar meu Gatorade trincando de gelado fui melhorando aos poucos. No caminho para casa sequei quase duas garrafinhas de isotônico. Em casa tomei uma latinha de coca-cola, tomei banho, deitei, tomei mais uma garrafa de Gatorade e, depois de algumas horas e outras bebidas, já estava renovado para enfrentar o dilúvio que caiu sobre SP, mas esta é uma outra história...
Apesar dos percalços, avalio que este treino-prova foi muito positivo e proveitoso. Em 2010 meu primeiro longo de 32km foi abortado. Acho que em 2011 estou melhor preparado, mas tenho consciência de que ainda estou no começo e tem muito chão pela frente.

Editado: PS: antes de chegar em casa o sintoma estranho no ouvido já tinha sumido.

Marcação pessoal:

in zone (4): 3:08.06
avg hr: 155
peak hr: 171
min hr: 30 (!?!)
tot cal: 4075

1- 152 1:15.30 (11,1km - aquecimento)
2- 151 19.47 (0->3km)
3- 157 19.22 (3->6km)
4- 160 19.57 (6->9km)
5- 160 20.19 (9->12km)
6- 162 22.32 (12->15km)
7- 159 23.49 (15->18km)
8- 148 31.31 (18->21,1km)
total: 3:49.47 (32,2km)

ua

11 comentários:

Fábio Namiuti disse...

Parabéns, Fabão, pelo "treino de luxo mix plus". Caramba! Será que estamos treinando para a mesma prova???? Eu ainda estou nos 23 km. Correr 32, só lá pra meados de abril. Acho que o meu "técnico" anda mais "bonzinho" que o seu... ;-)

Obrigado pela visita e comentário no meu relato da prova. Você disse bem: minha meta realmente era mais ambiciosa, mas não considerei ruim o resultado. Se eu conseguir essa mesma média de velocidade na inteira, ficarei pra lá de contente, por exemplo (embora saiba bem que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa).

Abraço, boa semana e siga firme nos treinos aí!

F.N.

Fabão disse...

Pois é, xará.
Eu antecipei minha planilha mesmo. Mas este foi o primeiro de 32km.
Basicamente estou seguindo o planejamento de 2010, como se a maratona fosse no início de maio.
Embora eu tenha mais tempo de "carreira" na corrida, a sua experiência e seus relatos me ajudam, me inspiram e me motivam. Continue sempre assim!
ua

G.M. disse...

Fabão,
Se cuide, hein?
Sintomas preocupantes, não?
Fique na paz!
Ass.; Guilherme.

Fabão disse...

GMaio, agradeço pela preocupação.
De fato, é sempre bom ficar de olho nesses sintomas estranhos. Mesmo tendo passado rapidamente, vou ficar atento para o caso disso se repetir.
ua

Mayumi disse...

Fala, Fabio! Que calor, hein? Vamos nos hidratar! Senão viramos uva passa! Rsrsrs. Sem brincadeira, em longões, precisamos tomar o máximo de cuidado com a hidratação, ainda mais em dias quentes, né? Cuide-se! Bons treinos!

Fabão disse...

Valeu, Mayumi.
Eu peguei água em todos os postos, e tomava um ou dois goles, como de costume. Não consigo beber muito pois sinto que a barriga fica pesada.
Agradeço pela dica. Vou repensar uma estratégia mais eficiente para hidratação.
bjs

claudio disse...

Fábio Medeiros,

Adorei o reu relato, emocionante e completo. E como aconteceu ainda no inicio do da sua preparação, da para tirar muito proveito.

Cada corpo reage de uma forma diante do esforço prolongado.

O seu psicológico é muito forte.

Se "o seu carro" estivesse "a cada três quilometros" da corrida (como na pistinha do seu bairro) absolutamente nada disso teria acontecido. Para quem lê o seu relato, como meu caso, pensa o seguinte: foi a prova de que a reposição que normalmente o "Fabão" faz em seus treinos longos é na risca para ele. Mas acho que essa certeza você já tinha.

Parabéns pela prova. Um abraço saudoso do temporariamente sumido Claudião Dundes.

Fabão disse...

Fala, Claudião.
(saudades)
De certa forma, aquela água a cada 3km dos meus treinos pode acabar me deixando dependente, de uma forma mais rigorosa que o necessário.
Estou fazendo algumas alterações nesse sentido, variando a frequência de hidratação para "desviciar" o corpo acostumado à rotina. A intenção é estar preparado para contratempos como o observado no último domingo. Vamos ver se funciona.
De qq forma, foi uma experiência válida.
ua

Joka disse...

Altas fotos irado, parabéns pela prova guerreiro !!!

Ivo Cantor corre e conta disse...

Só água? ou isotônico? e o carboidrato em gel? nada?

Fabão disse...

Valeu, Joka. As fotos eu baixei do site webrun.

Ivo, tomei gatorade entre o fim do aquecimento e a largada, junto com um sachê de gel. Depois, foi só água mesmo, pois o posto de gatorade do percurso já tinha sido desmontado quando passei. Além da água, ingeri mais 2 sachês durante os 21km. Na chegada tinha acabado o gatorade, mas eu tomei os meus que estavam no carro, assim que consegui chegar lá.
Agradeço pela preocupação. Vou prestar mais atenção na hidratação.

ua